Drops de filosofia [2]

Paradigma

Paradigma é um modelo ou referencial teórico e/ou axiológico (valores) seguido e reproduzido, de modo mais ou menos inconsciente e irresistível,  por uma comunidade, cultura, época ou escola (orientação intelectual).

Histórico-filosoficamente, um paradigma consiste na prioridade lógica (primado) de um problema ou de uma problemática, p. ex., do problema ou da problemática epistemológica (paradigma moderno).

Sistemático-filosoficamente, um paradigma consiste na predominância de uma tendência ou orientação teórica, ou seja, no primado de uma tese ou de um conjunto de teses, p. ex., da tese gnosiológica segundo a qual o sujeito constitui o objeto (paradigma idealista).
·         Paradigma
o   Paradigma histórico-filosófico
§  Linha do tempo
·         Fil. antiga e medieval
o   Ser/realidade => Metafísica/ontologia
·         Fil. Moderna
o   Conhecer/verdade => Gnoseologia/epistemologia
·         Fil. Contemporânea
o   Sentido/linguagem => Semiótica/hermenêutica
  
o   Paradigma [sis]temático-filosófico
§  Triângulo de Platão
·         Mundo/objeto => Fil. do ser ou da substância
·         Alma/eu/sujeito => Fil. do eu/fil. transcendental
·         Idéia/absoluto/Deus => Fil. do espírito [noologia]
o   O problema [do triângulo] platônico
§  Alma  ¹  Mundo
o   A tese [do triângulo] platônico
§  Alma => Anamnesis [reminiscência] => IDÉIA
§  Mundo => Metexis [participação] => IDÉIA

Drops de filosofia [1]

Problema, hipótese e tese

Problema é, basicamente, uma diferença entre uma situação dada, real, presente, e outra, almejada, ideal, futura. Do ponto de vista formal, deve poder ser expresso por uma sentença interrogativa, ou seja, uma pergunta.
Hipótese é uma tese provisória que se pretende demonstrar e/ou aplicar. Trata-se, por assim dizer, de uma candidata à (categoria de) tese.
Tese é uma proposição afirmativa, uma asserção, que, como tal, possui valor de verdade, ou seja, pode ser ou verdadeira ou falsa. É resposta a um problema.
• Problema
o Diferença
– Real– Ideal
– Ser – Dever-ser
= Discurso descritivo – Discurso prescrtivo
– Presente– Futuro
• Hipótese
• Tese

Que é um problema?

No post O problema do problema, abordei a questão do (ou de qual seria o) papel do problema e da problematização na prática da investigação filosófica. Ficou para depois “O problema” propriamente dito:
Afinal de contas, que é mesmo um problema?
Não encontrei em parte alguma, de dicionários, passando por manuais, a obras especializadas (como o mencionado livro do professor Mario González), uma definição ou caracterização satisfatória. Quase sempre se faz referência ao aspecto psicológico do problema, ou seja, ao sentimento de desconforto do indivíduo diante de certa situação, que. de algum modo, representaria para ele um obstáculo. Outras vezes se faz referência ao aspecto lógico-epistemológico do problema. O fato é que vários aspectos “problemáticos” são apresentados, ora com ênfase num ora noutro, mas sem que se os distinga e/ou relacione de modo claro e elucidativo.
Quando analisamos um problema qualquer — de preferência, aliás, um problema elementar e evidente –, ao modo cartesiano, reduzindo-o a suas partes essenciais, observa-se que é dotado de uma estrutura dupla. Tomemos como exemplo o problema que todo paulistano enfrenta pela manhã quando sai de casa para o trabalho. Qual é o problema? Ora, evidentemente, o problema consiste em como chegar ao trabalho de modo mais rápido, seguro e confortável (e econômico) possível.
Certo, mas o melhor modo de chegar ao trabalho é, analiticamente falando, o melhor modo de passar de um ponto (a residência) a outro (o trabalho).
Para falar ao modo de Kant, digamos que a condição de possibilidade de um problema, ou seja, a exigência que tem de ser necessariamente atendida, preenchida, para que se dê um problema, é a diferença. Sem diferença não há problema. Assim se pode também dizer que um problema é uma diferença.
Ora, uma diferença implica a existência de pelo menos duas coisas — daí a estrutura dúplice do problema. Digamos, então, que um problema consiste na diferença entre duas posições, uma real, presente, dada, e outra ideal, futura, almejada (ou encomendada).
Essa definição, ou melhor, descrição analítica do problema pode parecer banal, e de fato o é, mas possui um grande poder elucidativo.
Tomemos, por exemplo, a profissão de vendedor, que conheço por experiência. O bom vendedor, se isso existe, seria aquele que, por meio de produtos ou serviços, conseguisse resolver de modo ótimo o(s) problema(s) de seus clientes (ou fregueses). Para isso deveria, antes de tudo, ser capaz de identificar problemas, ou seja, encontrar diferenças (entre o real e o ideal) na situação dos clientes. Depois de identifica a diferença, o vendedor então procuraria no seu portfólio a melhor opção para cobrir essa diferença, ou seja, para solucionar o problema do cliente. Pode ser um plano de saúde, um automóvel ou uma casa.
Mais uma vez, isso pode parecer banal, mas quem conhece o métier de vendedor sabe que a clareza e a eficiência não são exatamente as virtudes mais comuns.
Mas e na filosofia, como se dá um problema? Pensemos, por exemplo, nas disciplinas clássicas: epistemologia, ética e metafísica.
Qual é o problema básico, central da epistemologia? Evidentemente, o chamado problema do conhecimento. E em que consiste esse problema? Ora, consiste justamente na diferença entre sujeito e objeto.
E o problema ético? Consiste na diferença entre o bem ou o certo e o mal ou o errado, entre o que se deve fazer ou ser e o que não se deve.
Mas e na metafísica, como se apresentaria a estrutura dupla do problema? Pois, segundo a definição clássica, a metafísica é o estudo do ser. O ser seria então duplo? Bem, se o ser é duplo ou triplo etc., eu não o sei… Mas se há aí um problema, este deve ser necessariamente duplo, uma diferença. Onde residiria então essa diferença metafísica? Veja bem: a definição clássica, aristotélica, diz na verdade que a metafísica é a ciência do ser (ente) enquanto ser (ente) e — de suas propriedades.
A definição completa revela imediatamente uma diferença, a saber, a que há entre o ser (ente) e suas propriedades. Para falar com Aristóteles, entre a substância e seus acidentes.
Mas, prestando mais atenção, percebe-se outra diferença, ainda mais fundamental. Sim, pois não se fala apenas do ser (ente), mas do ser (ente) enquanto tal. Por que essa precisão? Não seria justamente para distinguir, ou seja, diferençar o ser de tudo que não é o ser?
Leibniz formula o problema metafísico do seguinte modo: Por que existe algo e não antes o nada? Formulação retomada aliás por Heidegger. Eis o problema: a diferença entre ser e nada, entre ser e não ser.
Poderíamos precisar ainda mais o problema metafísico. A problematização filosófica não tem fim!
Veja, o nada na formulação leibniz-heideggeriana refere-se ao ser; é o nada do ser ou, noutra palavra, o não-ser (que, na nova ortografia, escreve-se sem hífen…). Ora, o não ser pode ser interpretado como tudo aquilo que não é o próprio ser, o ser ele mesmo, o ser em si, o ser como tal, enfim, o ser enquanto ser. Por exemplo: o ente ou o ser determinado ou a coisa.
Nesse caso, o problema metafísico consistiria na diferença entre ser e ente, ou, para falar agora com Heidegger, na diferença ontológica.
Que você achou, caro leitor, dessa descrição cartesio-kantiana do problema e de sua aplicação na própria filosofia?

Sentido do ser

Retomando a questão da filosofia do ser de inspiração aristotélico-tomista, gostaria de desenvolver um ponto em que apenas toquei no post anterior.
O ser, para a filosofia do ser, não consiste num conceito ou numa categoria. Tampouco na essência abstraída da coisa mesma por meio do pensamento conceitual. O ser é ato, plenitude. Isso significa que o ser não é vazio de sentido, mas, ao contrário, pleno de sentido. O ser é sensato.
Isso talvez parece óbvio, mas não é. Para Hegel, p. ex., o ser é, em primeiro lugar, uma categoria. A primeira categoria da primeira tríade do primeiro momento da Lógica, que também se chama ser. Essa primeira categoria é a mais abrangente de todas, mas, ipso facto, a mais vazia de conteúdo. Ou seja, a categoria mais vazia de sentido.
Aproveito a ocasião para propor uma questão aos hegelistas e hegelianos:
QUESTÃO 1. Como é possível que a categoria mais vazia de sentido, mais insensata, seja, ao mesmo, a origem de toda a lógica e de todo o sistema, passando pela natureza até o espírito absoluto?
Voltando ao ser sensato de Tomás, pensemos p. ex. numa simples árvore. Os modernos temos a tendência de considerá-la, como a qualquer coisa, como algo que simplesmente existe, destituída de sentido. Isso porque compreendemos o sentido, em primeiro lugar, como valor de verdade. Ora, a árvore não pode ser nem verdadeira nem falsa, ela simplesmente é ou não é (uma árvore). Uma árvore falsa não é uma árvore. (Assim como (c)ouro falso não é (c)ouro! E, por isso, a expressão (c)ouro legítimo é destituída de sentido…)
O que faz sentido, para nós modernos, é a linguagem, a sentença ou a proposição. Somente as proposições podem ser verdadeiras ou falsas. E não árvores e coisas.
Uma árvore pode ser ou não ser, existir ou não existir, ser real ou irreal. Não pode ser nem verdadeira nem falsa. Não pode ter, pois, sentido algum. Mas uma proposição sobre a árvore, sim, pode ter sentido. Pois apenas ela pode tem valor de verdade. A proposição “Aquela árvore no meio do jardim é uma macieira” é verdadeira se e somente se a árvore no meio do jardim for de fato uma macieira.
Assim é para nós modernos. Não assim para Tomás. Para o “boi mudo” da Sicília, uma árvore é ser em ato, ato de ser árvore –ato de arborecer, arborecente. Não se trata mais, ou ainda, de uma mera coisa insensata à espera de um sujeito cogitabundo que venha emprestar-lhe algum sentido. A árvore no meio do jardim é uma árvore verdadeira, plena de sentido. É sensata.
A sensatez do mundo não depende, assim, da (in)sensatez do sujeito moderno.
Como aqui e no post anterior me aventuro em praias estranhas, conto com a condescendência e colaboração dos –sensatos– leitores!

S.Tomás de Aquino

Comemora-se hoje, 21-1, entre os católicos, o dia de São (ou Santo) Tomás de Aquino. Os luteranos o comemoram no dia 8-3. Tommaso D’Aquino nasceu em Roccasecca ou Belcastro, na Itália, no ano de 1224 ou 1225 e morreu na Abadía de Fossanuova, também na Itália, no dia 7-3-1274.  Padre dominicano, teólogo, filósofo, expoente máximo da escolástica, proclamado santo e cognominado Doctor Communis ou Doctor Angelicus pela Igreja Católica. Talvez seu maior mérito tenha sido a síntese que realizou entre o catolicismo e o aristotelismo, este último reintroduzido no Ocidente pelos pensadores árabes (Averroes, Avicena et al.). Sistematizou o conhecimento teológico e filosófico de sua época em suas duas Summae: a Summa Theologiae e a Summa Contra Gentiles.

Tanto o dialético Hegel quanto o analítico Russell não consideravam Tomás como um filósofo, mas sim como teólogo.

De fato, a diferença entre a teologia e a filosofia reside no fato de que a primeira não questiona seus pressupostos (a verdade revelada nas escrituras sagradas e, no caso do catolicismo, também na tradição apostólica). Mas é preciso acrescentar que, embora não aceite nenhum pressuposto sem crítica, ou seja, sem justificação, a filosofia não é possível sem pressuposto algum, ao passo que é possível uma filosofia fundada no absoluto.

Como quer que seja, é inegável o valor espiritual da obra do pensador aquinatense.

No século passado, estudiosos como o francês Étienne Gilson e o italiano Cornelio Fabro, por assim dizer, redescobriram a metafísica do Doutor Angélico: a filosofia do ser como ato ou a filosofia do ato de ser.

Grosso modo, trata-se do ser como tal em sua realidade operante, criativa, que não pode ser confundida com a categoria ou o conceito do ser. Do ser mesmo só podemos saber (conceitual ou categorialmente) que ele é, mas não o que ele é. O que as coisas são nos é dado por sua essência, essa sim concebível por conceitos. Natureza, essência, conceito, definição são conceitos afins. O ser transcende esse nível.

Para os escolásticos, os transcendentais consistem justamente numa espécie de supracategorias, de atributos ontológicos comutáveis entre si ou intercambiáveis. Segundo Tomás, são ele: res (a coisa), unum (o uno, a unidade), aliquid (alteridade), verum (o verdadeiro), bonum (o bem), e, last but not least, ens (o ente).

Esse assunto é muito delicado, principalmente para não especialistas como eu. Por exemplo, quando, logo acima, usei a expressão “espécie de supracategorias”, fui infeliz e corri o risco de levar o leitor a mal-entender o tomismo como se fora algum tipo de essencialismo. Pois a definição de um conceito (ou categoria) se obtém justamente pela especificação do gênero (p. ex., homem é animal [gênero] racional [espécie]). Parece que mesmo grandes tomistas, como Jacques Maritain, teriam sucumbido ao essencialismo, ao não atentarem para a diferença –destacada por Gilson e Fabro– entre ser (ato) e essência (potência).

Para finalizar esta nota, gostaria de lembrar outra sacada genial do Doutor Comum. Trata-se de sua contribuição para a chamada Querela do Universais.

Havia então duas posições antagônicas e mais uma terceira, intermediária; respectivamente, o nominalismo, o realismo e o conceptualismo. Para o nominalismo, os universais não passam de nomes, flatus voices, convenções fonéticas que usamos para classificar as coisas singulares; para o realismo, ao contrário, os universais são transcendente (Platão) ou imanentemente (Aristóteles) reais, e, finalmente, para o conceptualismo, os universais são representações mentais abstraídas das coisas.

Tomás de Aquino, fazendo valer a potência lógica de seu intelecto, sintetizou, então, as três posições conflitantes numa única: os universais existem antes das coisas (ante rem), na mente de Deus, como “ideias platônicas”; nas coisas (in re), como “essências aristotélicas”, e depois das coisas (post rem), na mente do homem, como “ideias humeanas”.