Civilização capitalista

Em seu artigo de hoje, 8-2, na Folha de S.Paulo (Tediosa reiteração), Luiz Gonzaga Belluzzo defende a tese de que a economia frágil no Brasil resulta do cenário externo. Embora, logo na primeira linha, ele afirme que a dicotomia ‘fatores externos vs. fatores internos’ “não parece adequada para avaliar o ambiente econômico em que tentamos sobreviver”.
Bom, não é preciso ser economista para saber que o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda (governo José Sarney) –e ex-presidente do Palmeiras– tem razão. Há muito que toda economia minimamente desenvolvida não pode mais ser compreendida separadamente da economia global. Não é isso que se entende por ‘globalização’? (Na verdade, não se trata de um processo meramente econômico; todo processo sistêmico, como a economia ou a própria vida, é holístico. Mas essa é outra história.)
O diretor da Fecamp –e ex-presidente do Palmeiras– desenvolve a sua argumentação a partir da seguinte visão econômico-civilizatória:
O mundo de hoje foi construído pela relação entre quatro processos complementares: 1) a liberalização financeira que, desde os anos 80, submeteu os países às peripécias da movimentação desimpedida do capital-dinheiro; 2) o movimento da grande empresa manufatureira transnacional para ocupar espaços “competitivos”; 3) a centralização do controle do capital financeiro e produtivo à escala global; 4) as políticas dos Estados soberanos que buscavam empreender estratégias de desenvolvimento.
Esse parágrafo tão elucidativo quanto ambicioso é o que me interessa aqui. O professor titular da Unicamp –e ex-presidente do Palmeiras– caracteriza precisamente o processo civilizatório mais recente –a chamada globalização– como um processo eminentemente econômico. Acho que podemos concluir sem medo que a a civilização contemporânea é centrada na economia, mais precisamente, no acúmulo do capital.
A nossa civilização é o –capitalismo.
Talvez o nosso renomado economista não concorde com essa conclusão, que, de resto, é muito bem desenvolvida por Fábio Konder Comparato em A civilização capitalista (S.Paulo: Saraiva, 2013); mas, nesse caso, Luiz Gonzaga Belluzzo estaria apenas sendo inconsequente. Tal como o foi à frente do Palmeiras, o clube de futebol que ele levou à beira da falência e à segunda divisão.