Reação de alunos faz professores pararem com piadas de cursinho

FSP, 10-8-14

Estudantes consideram brincadeiras machistas e homofóbicas; pais cobram explicações

Professores dizem que são mal interpretados e que as aulas perdem a descontração; direção dos cursos pede cautela

THAIS BILENKY

“O movimento feminista mais importante na história é o movimento dos quadris.” “Mulher é como filme: só se revela no escuro.” Piadas típicas de cursinho pré-vestibular como essas correm risco de extinção.

As direções de instituições preparatórias frequentadas pela classe média alta paulistana têm orientado os professores a suspender comentários jocosos no intuito de evitar ameaças judiciais.

Alunos e especialmente alunas têm reclamado do que consideram machismo, homofobia e racismo aos pais, que cobram explicações.

Em sala, estudantes gritam, choram, cobrem seus rostos com a apostila, retiram-se e até despem-se –segundo relatos de professores à Folha, uma menina ficou de sutiã em protesto duas vezes no ano passado no Intergraus de Pinheiros.

Nos corredores, afirmam que “o mundo é sofrido demais para tais brincadeiras”.

CHATO

“Virei chato. Não faço mais brincadeiras. Minhas aulas estão terminando mais cedo. Vou passar exercícios a mais”, afirma um professor do Intergraus que não quis ser identificado.

Piadas as mais chulas e até as mais inócuas geram controvérsia. Um professor lembra quando uma aluna saiu gritando “machista!” ao ouvi-lo dizer que não gostava de lojas de bijuterias.

Colega do Anglo conta que é brincadeira entre os meninos chamar os professores de “bicha” e “veado”. No início de 2014, ele passou de sala em sala para informar: “Se eu for conivente, como sempre fui, estarei permitindo que vocês usem a palavra gay com sentido pejorativo. E não tem. Não permito mais”.

Para ele, o tema é tabu. “Entre 80 pessoas entenderem que é brincadeira e 20 acharem que você está incentivando alguma coisa, é melhor não fazer piada. O incrível é que, dez anos atrás, você podia contar piada de preto, de português. Ao mesmo tempo, era inimaginável ter dois meninos se beijando no cursinho como temos agora.”

LUTA

“Eu, três meninas e um menino saímos da sala quando o professor falou que, se quiser comer’ a empregada, o cara tem que levá-la ao Habib’s. Ele sempre fala que pobre adora Habib’s”, conta Julia Castro, 19, aluna do Anglo de Higienópolis. “Essas brincadeiras reforçam o preconceito. Nossa luta já é difícil.”

Adolpho Mayer, 18, disse que se indignou. “Isso é discriminação de classe. As pessoas riem, mas você tem que interpretar [o riso]: elas ficam nervosas”. Ao final da aula, ele foi falar com o professor.

Uma amiga e xará de Julia, que pediu para não ter o sobrenome publicado, conta que reclamou para o coordenador sobre um professor que, segundo ela, foi omisso quando meninos cantaram uma música de baixo calão para uma garota. “Quem silencia concorda.” “Aqui só tem riquinhas: elas deveriam reagir mais”, critica.

No aniversário de uma estudante no ano passado, meninos sortearam quem a beijaria. A aniversariante não consentiu, mas disse às amigas que foi obrigada pelo professor a ceder.

O professor, na condição de anonimato, admite que entrou na brincadeira: “Falei quem vai ser o felizardo?’ Mas outra estudante protestou: Mulher não é objeto para ser sorteada’. Eu então pedi desculpas e passei a repudiar a brincadeira”.

Jorge Ovando, gerente de marketing do Intergraus, afirma que as queixas, em geral, são fruto de má compreensão. “A instrução é não brincar.” Luís Ricardo Arruda, coordenador-geral do Anglo, conta que a recomendação é tratar os alunos “com respeito”. “As piadas têm que ser adaptadas a seu tempo.”

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/179979-reacao-de-alunos-faz-professores-pararem-com-piadas-de-cursinho.shtml

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s